Farmacêutica perita civil é presa injustamente no Amazonas

0
3314

A Dra. Cacilda Malmann, perita civil farmacêutica, em 02/12/2015, foi presa por se recusar a realizar a perícia de “trouxinhas de drogas” sem ser pelos trâmites legais. Como retrata a nota a seguir:

nota de repúdio CRFAM

 

Este caso leva-me a pensar em um possível caso de assédio moral ou abuso de poder como parece este texto publicado  acima.

[quote_center]O assédio moral é condenado pelo Conselho Superior da Justiça do Trabalho, sendo passível de danos morais e materiais às vítimas.[/quote_center]

Veja a diferença nos posts publicados abaixo e compartilhados pelas fanpages deste Conselho mencionando e do Conselho Nacional de Justiça e constate a diferença entre as definições.

Assédio Moral

assédio moral

 

Abuso de poder ou abuso de autoridade

abuso de autoridade e poder

 

Assim, como farmacêutica e colega de profissão, me solidarizo com  a Dra Cacilda Malmann. Trago a minha manifestação contra este tipo de situação!!!!!

E gostaría de parabenizar a colega por defender nosso código de ética e a ética do servidor público. O que me desperta orgulho e admiração!

Isto me faz refletir e pensar que, nós farmacêuticos devemos defender nossos cargos dentro das normas das instituições e de acordo com as legislações vigentes. Não devemos permitir um possível assédio moral ou abuso de autoridade. Todavia, isto não significa insubordinação e sim garantir o respeito de nossas atribuições.

 

Fonte:

  • Conselho Nacional de Justiça
  • CRFAM
  • Conselho Superior da Justiça do Trabalho

 

 

 

Artigo anteriorNovidade na área de P&D: Empresas Farmacêuticas compartilham biblioteca de compostos químicos
Próximo artigoRDC nº 53 de 2015 – Estabelece novos parâmetros para de produtos de degradação em medicamentos.
Farmacêutica graduada em Farmácia Industrial pela UFRJ, em 1998 e Pós-graduada em Docência Superior, pelo “Instituto A Vez do Mestre” - Filiada à Universidade Cândido Mendes, 2008. Pós-graduanda em Farmacologia Clínica e Prescrição Farmacêutica pelo Centro Universitário Celso Lisboa com formação prevista para 2018. Experiência em docência de farmacologia para alunos de curso técnico de enfermagem e atuante como propagandista médica na área de farmácia com manipulação, e como Farmacêutica gerente e responsável técnica na preparação de formulações sólidas em outra empresa do mesmo ramo. Experiência ampla, graças aos 14 anos dedicados a cuidar diretamente do paciente; oferecendo orientação farmacêutica, gestão de estoque, capacitação de balconistas quanto noções técnicas farmacêuticas e de farmacêuticos recém-contratados quanto à deontologia e captação de clientes. Fomentando valores, tais como: marketing e vendas e, em paralelo, o uso racional de medicamentos e conscientização da equipe de vendas como promotores de saúde. Iniciante na área de farmácia comunitária em 2002, tendo sido premiada em 2004 e 2011 como destaque na rede varejista Droga Raia onde atuava. Em 2017 findou-se a jornada em mais uma grande empresa varejista Drogarias Pacheco, onde atuava desde 2013 no mesmo segmento. Busca por aprimoramento contínuo, em uma área tímida, denominada Farmácia Clínica; onde os principais valores, como profissional dessa área, estão nas experiências compartilhadas com colegas, em palestras, experiências in loco com os pacientes e cursos que participo, me fazem cada vez mais desbravadora da profissão. Também, a leitura de novas informações em: farmacologia, sociologia, marketing, deontologia e farmacoeconomia, enriquece o meu saber. Como farmacêutica, estimuladora da arte de pensar e colunista da “farmacêuticas.com”, deixo uma citação, para retratar como nós farmacêuticos devemos nos reinventar, para sobreviver no mercado e, ao mesmo tempo, nunca - jamais e em tempo algum - esquecer da saúde e bem-estar de nossos pacientes. Conceitos arraigados em nosso código de ética. “A verdade é que os setores jamais ficam estacionados. Estão sempre em evolução. As operações tornam-se mais eficientes, os mercados se expandem e os atores chegam e vão embora." (A estratégia do Oceano Azul - como criar mercados novos e tornar a concorrência irrelevante - W.Chan Kim e Renée Maouborgne,- Rio de Janeiro: Elsevier, p.6, 2005).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui