Anvisa mudará regras para nomes de medicamentos

0
4026
Matéria de Lígia Formenti, publicado pelo Estadão em 10/07/2014

Resolução tem como principal objetivo criar estratégias para reduzir a confusão no momento da compra de remédios

 

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deve votar dentro de duas semanas o texto da nova resolução, que estabelecerá regras para os nomes comerciais de medicamentos. Esta medida tem como finalidade  criar estratégias para reduzir a confusão no momento da compra de medicamentos.

Segundo Dirceu Barbano, presidente da Anvisa, o erro geralmente é cometido em três situações típicas. São elas:

  • Quando o medicamento tem o nome semelhante a outro produto que já está no mercado, mas  possui indicação diferente;
  • Quando o nome comercial faz referência a algum composto que não está presente no medicamento;
  • Quando sugere uma indicação diferente da que é apresentada pelo produto.

“Essas são algumas possibilidades. Mas a criatividade é ilimitada”, disse o presidente. Justamente por isso, completou, os pedidos serão analisados caso a caso.

A resolução regulamenta uma Lei criada em 2003.

Polêmica

A maior preocupação a respeito do assunto diz respeito à análise dos nomes já existentes. O principal receio é com relação às marcas antigas que por ventura poderiam ser retiradas do mercado, caso a ANVISA considerasse o nome inadequado após a implementação da mudança.

“É um tema muito delicado, que pode trazer uma série de prejuízos para o setor se as regras não forem muito bem conduzidas”, afirmou o presidente da Associação dos Laboratórios Farmacêuticos Nacionais (Alanac), Henrique Uchio Tada.

Barbano ainda esclarece que não há razão para que medicamentos antigos sejam revalidados, exceto se houver relato de um grande número de acidentes provocados por erros no momento da compra do produto.

Renovação

A renovação do registro é feita a cada cinco anos. “Quando o medicamento traz algum risco, ele pode ser retirado do mercado a qualquer tempo, não precisamos aguardar o período da renovação do registro”, completou o presidente.

A resolução ainda faz uma avaliação sobre “famílias” de medicamentos. Isso para produtos que possuem em sua composição o mesmo princípio ativo, mas com algumas variações. É o caso, por exemplo, de analgésicos que levam na fórmula apenas um princípio ativo e outros, com mesmo nome, que trazem combinação com outras substâncias.

Barbano é favorável também em liberar que uma empresa tenha dois medicamentos registrados no mercado, com indicações para o mesmo fim mas com nomes distintos.

A situação é comum em casos de fusão de empresas. “Não há risco sanitário, nem mesmo de cartelização”, finalizou o presidente da Anvisa.

Artigo anteriorAprovado Projeto de Lei nº 4385/94 da ex-senadora Marluce Pinto
Próximo artigoDesvendando o cálculo de LeBlanc na validação de limpeza
Formada em 2000 em Farmácia industrial pela Faculdades de Ciências Farmacêuticas Oswaldo Cruz, começou a atuar na área farmacêutica em 1998 com projetos científicos e em farmácia de manipulação. Em 2001 iniciou sua carreia em indústria farmacêutica, atuando nas áreas de Controle de Qualidade, Garantia e Gestão de Sistemas da Qualidade, Qualificação e Validação. Com experiência de mais 17 anos no setor, trabalhando em indústrias farmacêuticas nacionais e multinacionais, hoje realiza consultorias e treinamentos para indústrias de medicamentos, indústrias de cosméticos e saneantes, distribuidoras e montadoras de equipamentos da área farmacêutica. Empresária, consultora, blogueira, fundadora do Portal Farmacêuticas e da consultoria que leva o mesmo nome, esposa e mãe de duas filhas, tem como nova missão a criação de um portal, Farmacêuticas, voltado exclusivamente para o mundo farmacêutico, com dicas de projetos, eventos, cursos e notícias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui