Orientações para evitar erros de dispensação

0
29626

As farmácias tem um papel fundamental na promoção e recuperação da saúde da população, devendo assegurar o acesso à assistência farmacêutica em período integral, com foco no uso racional e seguro do medicamento, conforme previsto da Lei 13.021 de 2014.

E o papel do farmacêutico é justamente garantir a dispensação de medicamentos de forma correta, assim como  analisar  e interpretar o receituário. Este deve ser feito com base nos aspectos legais e terapêuticos (farmacêuticos e farmacológicos).

Desta maneira, é de extrema importância que o farmacêutico avalie os seguintes itens no receituário:

  • Nome (comercial e do princípio ativo) do medicamento;
  • Dosagem;
  • Concentração;
  • Forma farmacêutica;
  • Posologia e duração do tratamento
  • Analisar se não há interações medicamentosas que possam comprometer a eficácia do tratamento
  • Verificar a identificação do medicamento assegurando que está de acordo com o prescrito no receituário.
  • Avaliar o prazo de validade
  • Realizar uma inspeção visual das condições de embalagem do medicamento (integridade)

O farmacêutico, em hipótese alguma, deverá efetuar a dispensação de medicamentos caso as receitas estejam ilegíveis ou possam induzir a erros ou confusão. Sempre que houverem dúvidas com relação à prescrição ou sejam detectados eventuais problemas, não deverá ser feita a dispensação. Deste modo, o farmacêutico deve entrar em contato com o prescritor e esclarecer as dúvidas.

A dispensação não poderá ser realizada até que o farmacêutico consiga realizar contato com o prescritor para esclarecimentos e confirmação da receita por ele emitida.

Erros de dispensação de medicamentos podem vir a configurar imperícia, imprudência ou negligência do farmacêutico, podendo colocar em risco a saúde física e/ou psicológica do paciente e gerar sérios danos, temporários ou até mesmo permanentes, podendo o farmacêutico responder na esfera ética e administrativa sem prejuízo das sanções de natureza civil ou penal cabíveis.

Desta forma, a fiscalização do CRF-SP orienta o farmacêutico a não delegar a outros profissionais atos ou atribuições que lhe são exclusivos, sendo seu direito, conforme disposto no Código de Ética Farmacêutica – Resolução CFF 596 de 2014, exigir dos profissionais da saúde o cumprimento da legislação sanitária vigente, em especial quanto à legibilidade da prescrição, podendo decidir, desde que de forma justificada, sobre o aviamento ou não de qualquer prescrição.

 

 

 

Referência

Matéria publica pelo Departamento de Orientação Farmacêutica CRF-SP

Portal CRF-SP www.crfsp.org.br

Orientação CRF-SP (11) 3067-1470 ou orientacao@crfsp.org.br

Atendimento CRF-SP (11) 3067-1450- opção nº 09 ou atendimento@crfsp.org.br

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui