Novo genérico para tratamento da esclerose múltipla é registrado na ANVISA

8
9756

Foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) na última segunda-feira, dia 12/9 a aprovação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), o registro de mais um genérico inédito no mercado. Trata-se do cloridrato de fingolimode, um fármaco que pode alterar a forma que o sistema imune do corpo funciona, auxiliando a combater os danos nos nervos causados pela esclerose múltipla. O produto será disponibilizado no mercado em cápsulas (cápsula dura).

Registro do cloridrato de fingolimode amplia as opções de tratamento da esclerose múltipla recorrente, e por ser um produto genérico reduz o preço para o paciente.

Isso significa que os pacientes e médicos terão uma opção de menor custo para o tratamento da esclerose múltipla remitente recorrente, uma vez que, os genéricos chegam ao mercado com um preço 35% menor que o preço de tabela dos medicamentos de referência.

 

Sobre a esclerose múltipla

remedio-para-esclerose-multipla-2

A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença neurológica, crônica e autoimune. A doença ocorre porque as células de defesa do organismo atacam o próprio sistema nervoso central, provocando lesões cerebrais e medulares.

Embora a causa da doença ainda seja desconhecida, a EM tem sido foco de muitos estudos no mundo todo, o que têm possibilitado uma constante e significativa evolução na qualidade de vida dos pacientes. Os pacientes são geralmente jovens, em especial mulheres de 20 a 40 anos.

 A Esclerose Múltipla não tem cura e pode se manifestar por diversos sintomas, como por exemplo:
  • Fadiga intensa
  • Depressão
  • Fraqueza muscular
  • Alteração do equilíbrio da coordenação motora
  • Dores articulares
  • Disfunção intestinal e da bexiga

A ABEM (Associação Brasileira de Esclerose Múltipla)  estima que atualmente 35 mil brasileiros tenham Esclerose Múltipla.

É importante ressaltar que a esclerose múltipla:

  • NÃO é uma doença mental.
  • NÃO é contagiosa.
  • NÃO é suscetível de prevenção.
  • NÃO tem cura e seu tratamento consiste em atenuar os afeitos e desacelerar a progressão da doença.

 esclerose-multipla-infografico

Fonte 

ANVISA – Publicado em : 12/09/2016

ABEM – Associação Brasileira de Esclerose Múltipla

Faculdade de Medicina da USP – Riberão Preto

Artigo anteriorVaga de Supervisor de Validação
Próximo artigoSibutramina da Aché é liberada pela ANVISA
Formada em 2000 em Farmácia industrial pela Faculdades de Ciências Farmacêuticas Oswaldo Cruz, começou a atuar na área farmacêutica em 1998 com projetos científicos e em farmácia de manipulação. Em 2001 iniciou sua carreia em indústria farmacêutica, atuando nas áreas de Controle de Qualidade, Garantia e Gestão de Sistemas da Qualidade, Qualificação e Validação. Com experiência de mais 20 anos no setor, trabalhando em indústrias farmacêuticas nacionais e multinacionais, hoje realiza consultorias e treinamentos para indústrias de medicamentos, indústrias de cosméticos e saneantes, distribuidoras e montadoras de equipamentos da área farmacêutica. Empresária, consultora, blogueira, fundadora do Portal Farmacêuticas e da consultoria que leva o mesmo nome, esposa e mãe de duas filhas, tem como nova missão a criação de um portal, Farmacêuticas, voltado exclusivamente para o mundo farmacêutico, com dicas de projetos, eventos, cursos e notícias.

8 COMENTÁRIOS

  1. eu tenho esclerose múltiplas hoje eu uso rebif, o “pior” remédio que exite. mas vivo bem seria melhor que esse remedio estivesse distribuído.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui