Médicos nas farmácias. Qual a sua opinião?

5
12565

O Projeto de Lei nº 45, de 16/02/1994, de autoria do vereador Wadih Mutran, foi desarquivado pela Câmara Municipal de São Paulo. Tal projeto propõe tornar obrigatória a presença de médicos nas farmácias municipais que estiverem de plantão nos finais de semana e feriados.

É um projeto polêmico, mas existe os prós e contras. Creio que vale a pena analisar antes de criticar:

 

Benefícios da presença de médicos nas farmácias

medicos-nas-farmacias2

Este modelo de trabalho em conjunto é adotado em países como no caso dos Estados Unidos, por exemplo.

Algumas unidades de drogarias de grande porte possuem médicos plantonistas que atendem casos de emergência e as receitas são enviadas diretamente ao farmacêutico via software para análise e dispensação.

O farmacêutico avalia a prescrição de acordo com os dados do pacientes x tratamento proposto:

  • Diagnóstico – prontuário médico
  • Idade
  • Sexo
  • Peso
  • Dosagem
  • Período de tratamento
  • Interações medicamentosas
  • Ação farmacológica

Estando todas as informações de acordo, o farmacêutico autoriza a dispensação e o paciente retira diretamente o medicamento do balcão da farmácia, logo após avaliação completa deste profissional.

É um sistema que funciona muito bem e há respeito e trabalho em equipe de ambos os profissionais.

Eu pessoalmente utilizei para o tratamento de otite aguda de minha filha que na época tinha 3 anos e apresentava quadro febril incessante de 40ºC durante uma viagem aos EUA. Na ocasião, não quis enfrentar um hospital, visto que o custo da consulta e exames poderiam ser muito mais altos, além do risco de piora do quadro clínico devido há baixa imunidade x infecção hospitalar.

Foi rápido e eficiente. Sai com a prescrição do antibiótico e o medicamento já para administração imediata

Diante de tal experiência os benefícios foram:

  • Facilidade do tratamento da doença;
  • Rapidez do diagnóstico;
  • Baixo custo;
  • Segurança do serviço devido a equipe multidisciplinar de saúde;
  • Diagnóstico e tratamento (medicamento) em um só lugar;
  • Consultórios modernos e altamente equipamentos;
  • Promovem campanha de vacinação;
  • Evitam idas a hospitais;
  • Interação entre médico e farmacêutico.

Tais farmácias são o Minute Clinic na CVS e Healthcare Clinic no Walgreens.
minute-clinica-medicos-nas-farmacias

minute-clinic-farmaceuticas

minute-clinic

Exemplo de consultório médico (padrão ) do Minute Clinic

Pontos críticos ou contra em relação à presença de médicos nas farmácias

comercio-medicamentos

Como no Brasil, infelizmente, nada funciona muito bem e não há planejamento e preparo para medidas de alto impacto, podem acontecer os seguintes problemas caso a PL seja aprovada:

  • Retrocesso à Lei 13.021/2014 que transforma farmácia em estabelecimento de saúde e estabelece que a farmácia é uma unidade de prestação de serviços destinada a prestar assistência farmacêutica;
  • Contraria o Decreto nº 20.931, de 11 de janeiro de 1932 Art. 16 – Podendo levar o médico a beneficiar o comércio de medicamentos;
  • Infringe o código de ética médico;
  • Pode ocorrer duplo exercício de atividade dos médicos: medicina e farmácia;
  • Empresas de pequeno porte não teriam estrutura financeira imediata para contratação de médico e equipagem de consultório adequado para atendimento dos pacientes.
  • Falta de planejamento;
  • Pode gerar conflito entre os profissionais e de interesse.

 

Posicionamento do CRF-SP

O departamento jurídico do CRF-SP avaliando a PL, concluiu que a proposta fere toda a legislação vigente sobre o funcionamento das Farmácias, inclusive a recém aprovada Lei 13.021/2014, além de outras leis e o próprio código de ética médica.

Na Seção Plenária de 07/12/2015, os Conselheiros aprovaram, por unanimidade, uma moção de repúdio contrária a esta proposta e, ao enviá-la à Câmara Municipal de São Paulo, esperam sensibilizar os vereadores e opinião pública sobre a inconveniência do projeto.

A moção será encaminhada ao presidente da comissão de constituição, justiça e legislação participativa da Câmara Municipal, vereador Alfredinho. O texto defende que a propositura carece de suporte legal a bem da saúde pública e pede o arquivamento do PL em questão.

Além de enviar a moção, o CRF-SP entrou em contato com a Câmara para agendamento de reuniões com os vereadores, bem como, com outras entidades, como por exemplo o Cremesp. Ou seja, serão adotadas todas as providências para impedir a conversão desse PL em lei.

Clique aqui e leia na íntegra a Moção de Repúdio

E você farmacêutico? Qual a sua opinião?

Opine e compartilhe.

 

Referências

Projeto de Lei nº 45, de 16/02/1994

Assessoria de Comunicação CRF-SP

Lei 13.021/2014

 

Artigo anteriorVaga de Analista de Validação Sênior
Próximo artigoNovidade na área de P&D: Empresas Farmacêuticas compartilham biblioteca de compostos químicos
Formada em 2000 em Farmácia industrial pela Faculdades de Ciências Farmacêuticas Oswaldo Cruz, começou a atuar na área farmacêutica em 1998 com projetos científicos e em farmácia de manipulação. Em 2001 iniciou sua carreia em indústria farmacêutica, atuando nas áreas de Controle de Qualidade, Garantia e Gestão de Sistemas da Qualidade, Qualificação e Validação. Com experiência de mais 17 anos no setor, trabalhando em indústrias farmacêuticas nacionais e multinacionais, hoje realiza consultorias e treinamentos para indústrias de medicamentos, indústrias de cosméticos e saneantes, distribuidoras e montadoras de equipamentos da área farmacêutica. Empresária, consultora, blogueira, fundadora do Portal Farmacêuticas e da consultoria que leva o mesmo nome, esposa e mãe de duas filhas, tem como nova missão a criação de um portal, Farmacêuticas, voltado exclusivamente para o mundo farmacêutico, com dicas de projetos, eventos, cursos e notícias.

5 COMENTÁRIOS

  1. Acho uma ótima ideia! Acabaria com a automedicação, tornaria o acesso ao profissional mais fácil, rápido e direto. As farmácias teriam mais segurança em relação aos procedimentos clínicos que norteiam a prescrição e dispensação ( informações, ajustes e etc ). Até porque, como farmacêutico já esta prescrevendo, nada melhor que médicos montando farmácias e trabalhando nelas! =D

  2. o medico tem que trabalhar quetinho nos hospitais fazendo os diagnosticos e o farmaceutico prescrevendo o farmaco,quero ver que medico sabe mais que um farmaceutico de remedio,infelizmente eles acham que sabem mais mesmo,o farmaceutico aos poucos esta voltando as origens…quem vai ganhar e o paciente e pode ter certeza essa mudança ate 2020 sera inevitavel ja estamos vendo nas equipes multidisciplinares o farmaceutico atuando,medicos aceitem o farmaceutico sera seu melhor aliado pode ter certeza em outros paizes funciona..

  3. Em um país como o nosso, onde a maioria dos médicos acreditam que sabem de tudo e que os outros profissionais não sabem de nada, seria apenas uma forma de desvalorizar o farmacêutico.

  4. Sou farmacêutico. União das duas profissões teriam tudo para da certo… para população melhor ainda, tendo mais opção para ser consultado ou em emergências do município ou nas drogarias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui