Senado sugere nova PL para fracionamento de medicamentos

Senado sugere nova PL para fracionamento de medicamentos

A Senadora Rose de Freitas apresentou ao Senado na última quarta-feira, dia 05/04/2017, a proposta para novo Projeto de Lei, a PL 98/2017, para alteração da Lei 5.991/73, sugerindo novas regras para o fracionamento de medicamentos.

 

Pela sugestão, a Senadora pretende obrigar as farmácias a fracionar os medicamentos, mas deixa claro que as embalagens devem ser especialmente desenvolvidas para essa finalidade.

 

PL para fracionamento de medicamentos


medicamento-fracionado-2

De acordo com a proposta apresentada, as indústrias fabricantes de medicamentos e empresas detentoras de registros terão a obrigatoriedade de embalar os medicamentos de forma que permita o fracionamento nas farmácias, além de cumprir os prazos determinados conforme descrito abaixo:

(Art. 5º) As farmácias e drogarias estão obrigadas a fracionar medicamentos a partir de embalagens especialmente desenvolvidas para essa finalidade de modo que possam ser dispensados em quantidades individualizadas para atender às necessidades terapêuticas dos consumidores e usuários desses produtos, desde que garantidas as características asseguradas no produto original registrado e observadas as condições técnicas e operacionais.

  • A responsabilidade do fracionamento é do farmacêutico.

 

  • A indústria farmacêutica, fabricantes e importadores terão o prazo de 12 (doze) meses para apresentar os medicamentos em embalagens fracionadas.

 

  • O farmacêutico deve exercer assistência farmacêutica e notificar as suspeitas de reações adversas ou quaisquer problemas relacionados ao medicamento ou tratamento medicamentoso à Vigilância Sanitária municipal, estadual, distrital ou federal, por meio de formulário destinado a esse fim.

  • As empresas titulares de registro, fabricantes ou importadoras, têm a responsabilidade de garantir e zelar pela manutenção da qualidade, segurança e eficácia dos produtos objeto desta lei em todas as etapas do processo até o consumidor final, a fim de evitar riscos e efeitos nocivos à saúde.

  • A responsabilidade solidária de zelar pela qualidade, segurança e eficácia dos medicamentos, bem como pelo seu uso racional, inclui as farmácias, drogarias e os demais agentes que atuam desde a produção até o consumo do produto”. (NR)

Dificuldades da implantação do sistema de fracionamento de medicamentos

medicamento-fracionado-pl

O prazo estipulado para a adequação por parte dos fabricantes é algo preocupante, visto que não há como a indústria e os detentores de registro saberem a demanda de tais produtos fracionados, o que pode gerar dúvidas acerca do cumprimento da referida legislação.

Lembrando que a demanda está diretamente ligada às orientações necessárias para a  população, por meio de campanhas de ampla repercurssão e também dos próprios farmacêuticos.

É de extrema importância acompanhar o tema e, principalmente, levar informações à Senadora a respeito das demandas desses produtos e, principalmente, ressaltar que nem todas as farmácias estão aptas a fracionar medicamentos, o que também inviabiliza o cumprimento da lei por parte dos detentores de registro e indústrias farmacêuticas.

Justificativa da Senadora

Os benefícios na compra de medicamentos fracionados são que o consumidor adquire apenas a quantidade que precisa, economiza porque evita o desperdício, garante o tratamento completo no tempo e quantidade recomendados pelo médico e evita os riscos de intoxicação pelo consumo das sobras de medicamentos estocados em casa. É o que foi constado nas farmácias pela equipe de jornalismo da Tv Globo. A população reconhece que há desperdício. E há quem lamente não ter a opção do fracionado. “Acho que o remédio deveria ser na dosagem certa”, diz a engenheira agrônoma Fátima Alves. Atualmente existe uma resolução da ANVISA RDC 80/2006, referente ao remédio fracionado o que não pegou porque, na verdade, abriu a possibilidade, mas não tornou o fracionamento obrigatório. Em vários países da Europa e nos Estados Unidos, a indústria farmacêutica vende o fracionado. Aqui não, as exceções são raríssimas. Uma fábrica no Paraná é a única a produzir para a venda fracionada, criou um estilo brasileiro de vender a quantidade exata receitada pelo médico, com embalagens picotadas para o corte. “Já está sendo uma realidade brasileira e, cada vez mais, vai ganhar participação no mercado”, avalia Eder Maffisini vice-presidente da fábrica.

Medicamentos fracionados são remédios fabricados em embalagens especiais e vendidos na medida exata que o consumidor precisa.

As farmácias e drogarias poderão fracionar medicamentos a partir de embalagens especialmente desenvolvidas para essa finalidade, embalagens fracionáveis, de modo que possam ser dispensados em quantidades individualizadas para atender às necessidades terapêuticas dos consumidores. Assim, por SF/17106.64299-42 4 exemplo, se o consumidor precisa tomar quatro comprimidos, não precisa mais comprar a caixa com 6. As farmácias e as drogarias de todo o Brasil deverão oferecer medicamentos fracionados. A venda fracionada de medicamentos passa com essa lei a ser obrigatória. Desta forma, a indústria farmacêutica deverá ser adequar para a apresentação na forma fracionada os medicamentos.

Os benefícios na compra de medicamentos fracionados são que o consumidor adquire apenas a quantidade que precisa, economiza porque evita o desperdício, garante o tratamento completo no tempo e quantidade recomendados pelo médico e evita os riscos de intoxicação pelo consumo das sobras de medicamentos estocados em casa. Nesse sentido apresento aos iminentes pares o presente PLS para que de fato seja disponibilizado ao consumidor o medicamento fracionado.”

 

Sala das Sessões,

Senadora ROSE DE FREITAS

 

Fonte

Lei 5.991/73

PL 98/2017

INSCREVA-SE EM NOSSA NEWSLETTER
Join over 3.000 visitors who are receiving our newsletter and learn how to optimize your blog for search engines, find free traffic, and monetize your website.
We hate spam. Your email address will not be sold or shared with anyone else.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma reposta