Comissão aprova letra legível em receitas e exigência de princípio ativo de medicamento

Comissão aprova letra legível em receitas e exigência de princípio ativo de medicamento

Excelente notícia: Comissão aprova letra legível em receitas e exigência de princípio ativo de medicamento!

Foi aprovada pela Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática a proposta que obriga os médicos e dentistas a elaborarem de forma legível prescrições e receitas. A partir de agora, os profissionais da saúde devem colocar as seguintes informações:

  • Escrever por extenso
  • Utilizar em letra legível em receitas manuscritas ou texto impresso
  • Inserir nas prescrições a posologia e a forma de uso dos medicamentos
  • Colocar a Denominação Comum Brasileira (DCB) ou, na sua falta, a Denominação Comum Internacional (DCI).

O texto foi aprovado na forma do substitutivo apresentado pelo relator, deputado Vitor Lippi (PSDB-SP), ao Projeto de Lei 7476/06, do Executivo, e cinco apensados.

O texto altera a Lei 5.991/73, para conferir validade em todo o País a receitas e notificações de receitas médicas e odontológicas, para fins de comercialização de medicamentos.

Segundo o relator “As receitas, que determinam como as drogas devem ser utilizadas, devem ser de fácil e clara leitura e compreensão para evitar questionamentos ou mesmo erros que podem afetar a integridade física dos pacientes”.  Ele ainda afirma que “A validade das prescrições para todo o território nacional facilita a vida de quem viaja”.

A DCB padroniza a nomenclatura e a tradução de termos relacionados a fármacos (princípio ativo) e excipientes usados em medicamentos. As DCBs são utilizadas em registros de medicamentos, rastreamento de insumos e prescrição médica. A finalidade é garantir ao paciente os dados relativos ao medicamento e as informações sobre como deve proceder, de forma a não haver erros na compra e venda dos remédios.

Tramitação

Como havia sido aprovada pela Comissão de Defesa do Consumidor e rejeitada pela Comissão de Seguridade Social e Família, a proposta perdeu o caráter conclusivo da tramitação. Agora, seguirá para análise da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) e, se aprovada, será votada em Plenário.

E como tudo no Brasil é muito burocrático, apesar de ser, ao meu ver, uma obrigação, o projeto para a questão da letra legível em receitas ainda segue para mais etapas de votação. Então, resta-nos, como farmacêuticos, aguardar as cenas dos próximos capítulos.

Fonte

Departamento de Comunicação CRF-SP

 Agência Câmara Notícias

Projeto de Lei 7476/06

Lei 5.991/73

INSCREVA-SE EM NOSSA NEWSLETTER
Join over 3.000 visitors who are receiving our newsletter and learn how to optimize your blog for search engines, find free traffic, and monetize your website.
We hate spam. Your email address will not be sold or shared with anyone else.
Formada em 2000 em Farmácia industrial pela Faculdades de Ciências Farmacêuticas Oswaldo Cruz, começou a atuar na área farmacêutica em 1998 com projetos científicos e em farmácia de manipulação. Em 2001 iniciou sua carreia em indústria farmacêutica, atuando nas áreas de Controle de Qualidade, Garantia e Gestão de Sistemas da Qualidade, Qualificação e Validação. Com experiência de mais 17 anos no setor, trabalhando em indústrias farmacêuticas nacionais e multinacionais, hoje realiza consultorias e treinamentos para indústrias de medicamentos, indústrias de cosméticos e saneantes, distribuidoras e montadoras de equipamentos da área farmacêutica. Empresária, consultora, blogueira, fundadora do Portal Farmacêuticas e da consultoria que leva o mesmo nome, esposa e mãe de duas filhas, tem como nova missão a criação de um portal, Farmacêuticas, voltado exclusivamente para o mundo farmacêutico, com dicas de projetos, eventos, cursos e notícias.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma reposta